Revisores x jornalistas

No mês passado, defendi minha tese de especialização em Revisão de Texto. Minha teoria é que há espaço na cadeia de produção do jornalismo para a inserção de revisores de textos. Porém, no decorrer da minha pesquisa, acabei buscando identificar as estruturas sintáticas padrões do jornalismo para instrumentalizar o profissional de revisão para trabalhar em redações de jornais.

De acordo com o teórico Nilson Lage, existe uma forma de escrita sistematizada no jornalismo. Essa fórmula está amparada em três pilares principais: o uso da voz ativa, da ordem direta e o empregado de sentenças curtas. Para exemplificar minha hipótese comparei exemplares do jornal Folha de S.Paulo em dois períodos distintos.

O primeiro foi durante o governo Vargas, de 1934 a 1945, quando a população brasileira era majoritariamente rural e o jornal impresso era o principal meio de divulgação de notícias. O segundo foi a fase de redemocratização, de 1989 a 2009. Nesse período, a população brasileira passou a ser quase totalmente urbana e a televisão ascendeu a principal meio de comunicação, seguida pelo rádio e pela internet.

Para conferir os resultados dessa pesquisa basta clicar na link abaixo:
Monografia Pedro Valadares

Anúncios

Conhecer a trajetória!

Durante os oito meses do programa de trainee, pude entender a importância do treinamento focado em um objetivo institucional. O Sebrae deseja ter analistas cada vez mais alinhados com a cultura da empresa e por isso elaborou um programa de treinamento de jovens recém formados para selecionar perfis compatíveis com a instituição.

Ao meu ver, o sucesso dessa experiência precisa ser ampliado. É necessário mapear processos e criar critérios claros para a ascensão na carreira dentro da empresa, deixando claro quais são os conhecimentos que a instituição valoriza para cada cargo.

Essa definição, além de deixar claro os desejos da empresa, proporciona autonomia e clareza para que o empregado possa tomar decisões sobre sua carreira. Dessa forma, ganha a empresa, que mantém em seu quadro profissionais que querem “vestir a camisa”, e ganha o trabalhador, que, com base nas possibilidades de ascensão profissional oferecidas, pode decidir se a instituição realmente contempla seus objetivos.

Esse processo com certeza vai impactar a qualidade do atendimento oferecido ao cliente do Sebrae, pois ele terá à disposição empregados mais motivados e alinhados com a missão da empresa. Dessa forma, fortalece-se a imagem institucional!

Momentos que marcam!

Faço uma pausa nas formas alternativas de postagem e retorno a velha e boa palavra escrita para falar sobre momentos que marcam nossa vida. Estamos nas últimas e derradeiras semanas do programa de trainee, o número de entrega sobe exponencialmente, assim como a expectativa da casa com relação a qualidade.

Por isso, a apresentação dos blogs, como bem relatou a amiga trainee Camila, foi gratificante pelo surpreendente impacto positivo causado aos presentes. Os elogios brotavam de forma inesperada, potencializada talvez pela humildade com que nos dedicamos à apresentação, buscando aprimorar os pontos falhos indicados pelo colega Paulo Volker.

Contudo, como diz o próprio Paulo, nossa trajetória deve equilibrar a vaidade despertada pelos elogios e a autocrítica necessária, para que sempre caminhemos no caminho da excelência. Devemos lembrar que quanto mais qualidade apresentarmos, maior será o padrão de exigência sobre o grupo.

Já mencionei aqui no blog antes que eu sinto que todo trainee representa o grupo. Então, a apresentação de segunda foi marcante para mim, pois o formato que adotamos exigia que ela fosse consumida como um inteiro, sem foco nas individualidades. Foi realmente um produto de trabalho colaborativo!

Para assistir à apresentação acesse o blog da Camila : http://sebraecamila2.wordpress.com/

Responsabilidade dividida

Na última sexta-feira, enquanto muitos se preparavam para curtir o Carnaval, os trainees apresentavam no auditório as experiências que tiveram nos estados. Foi uma viagem por diferentes Brasis! Assim como existem vários Brasis, existem vários Sebraes. Uma colega disse que um desafio do Sebrae é transformar suas soluções em um Jornal Nacional, ou seja, tentar oferecer produtos semelhantes em todos os estados.

Para mim, ficou muito claro o papel do Sebrae Nacional dentro do sistema. Nós devemos funcionar como um fonecedor e também como indutor. Para isso, é preciso estar cada vez mais próximo das unidades estaduais, para desenvolver soluções que sejam ainda mais efetivas.

Na minha apresentação, por querer destacar alguns pontos críticos, acho que acabei sendo injusto com o Sebrae Nacional. Se há às vezes problemas de comunicação, não se pode debitar tudo na conta do Nacional. Algumas vezes, gestores da ponta reclamam de falta de atenção, mas não buscam o Nacional, esperam ser procurados.

Ouvir é se tornar co-responsável

O colega Paulo Volker, que foi incumbido de nos avaliar, disse uma frase muito certeira. A partir do momento em que tivemos contato com a realidade dos Sebrae/UF e ouvimos suas necessidades, nos tornamos responsáveis pelas soluções. Se a situação não mudar, significa que nossa visita não foi efetiva. Por isso, me sinto agora encarregado de ser o porta voz do Amapá no Sebrae Nacional e tentar lembrar a realidade do estado em cada projeto que eu participar.

Fio condutor

Quinta-feira, dia 23 de dezembro, encerrou-se a primeira etapa do programa de trainees. Refletindo sobre as duas áreas por onde passei, lembrei da cidade de São Paulo.

São Paulo é uma cidade tão diversa, que cada bairro parece uma nova cidade. No entanto, há algo entre as várias comunidades que lá vivem (japoneses, italianos, libaneses etc) que dá forma à uma identidade comum, a de cidadãos paulistanos.

Da mesma forma analiso a Unidade de Assessoria Institucional (UARI), meu primeiro rodízio, e a Unidade de Acesso a Serviços Financeiros (UASF), meu segundo rodízio. As duas áreas possuem características tão próprias que às vezes parecem não fazer parte da mesma empresa.

Ao experimentar esse conflito de atuações, pude entender melhor a função de documentos como o Direcionamento Estratégico do Sebrae e as metas mobilizadoras. São mecanismos como esses que permitem que áreas tão diversas criem uma identidade e possam atuar em conjunto em prol de um objetivo comum.

É possível fazer um paralelo com a teoria de Hegel. Posso dizer que a UARI é a tese; a UASF, a antítese; e o Sebrae seria a síntese. Dessa forma, a empresa possui características que a identificam com todas as áreas, mas não pode ser explicada por apenas uma delas.

O sistema de rodízio do programa de trainees nos ajuda a enxergar mais claramente essa conexão macro e a pensar pontes que possam ligar a atuação de todas as unidades do Sebrae, potencializando os resultados para as micro e pequenas empresas.

Feliz Natal e um ótimo 2011 para todos!

Site Especial de Acesso a Serviços Financeiros

Menu "quando buscar recursos"

Quando cheguei à Unidade de Acesso a Serviços Financeiros (UASF), o gerente Alexandre Guerra deixou claro que meu objetivo principal era começar a implementar o Site Especial de Acesso a Serviços Financeiros. Foi um grande desafio.

O antigo site tinha um enfoque mais institucional, minha missão era aproximá-lo mais do público do Sebrae, tornar a linguagem mais acessível. O primeiro passo foi pensar em uma estrutura mais voltada para o atendimento, mas que mantivesse uma parte institucional para os parceiros da unidade. Junto com o analista João Augusto Pérsico e a jornalista Fernanda Peregrino, fechamos uma estrutura.

A partir daí, veio, para mim, a parte mais trabalhosa. Selecionar os textos para preencher a estrutura. Tive de ler mais de 99 páginas de textos, visitar sites de Sebraes estaduais e muitas vezes criar novos textos.

O resultado poderá ser visto em março, quando o site será lançado. Contudo, apresento aqui um dos menus do site, chamado “quando buscar recursos”. Para mim, ele tem um valor especial, pois foi o primeiro a ficar pronto e passou a ser modelo para os demais. Muitas características foram agregadas como a criação de um texto introdutório, o uso de vídeos e de programas de rádio e a seleção de texto mais próximos das necessidades dos empreendedores.

Durante minha passagem pela unidade, 80% do site foi concluído. Porém, dois produtos, que demandarão um pouco mais de tempo, serão ainda desenvolvidos antes do lançamento do portal.

Para mim, foi uma experiência muito engrandecedora, que possibilitou que eu tivesse contato com diversos outros colegas que são responsáveis por outros sites especiais. Pude sentir que há grande expectativa com relação ao site de Acesso a Serviços Financeiros e acredito que o portal irá atender ao que se espera.

Agradeço a todos os analistas UASF, que realizaram a revisão técnica do site, agradeço muito à jornalista Fernanda Peregrino, que sempre me ajudou e me orientou com relação aos requisitos necessários para cada página. Agradeço ainda ao colega André Dantas, que divulgou o documento de detalhamento do site, que produzi e ao colega Pérsico por confiar nas minhas habilidades e por me dar liberdade para criar.

Vale ressaltar que a passagem pela UASF me possibilitou muitas outras oportunidades, como trabalhar com outros veículos da unidade, como o boletim de crédito e boletim UASF, quando tive uma orientação muito atenciosa do colega André Dantas. Fico extremamente grato por poder ter ajudado e por terem confiado no meu trabalho. Saio da unidade me sentindo muito mais preparado para contribuir com o Sebrae. Obrigado, UASF!

Quanto vale uma história?

A pesquisadora Naomi Klein afirma que marca não é publicidade, marca é o fim da publicidade. Isso significa que a marca deve carregar uma história, uma causa. A marca por si só é apenas um sinal gráfico.

Quanto mais convincente e atrativa for a história que sua marca carrega, maior será o valor dela. Um bom exemplo é o clube de futebol espanhol Barcelona.

A agremiação fechou o maior patrocínio da história do futebol com a ONG Qatar Foundation. Para ter sua marca estampada na camisa do Barcelona, a entidade pagará 30 milhões de euros (R$75 milhões) por ano durante cinco temporadas.

Mas por que uma instituição pagaria tanto por um espaço numa camisa de um time de futebol? Para poder associar sua marca à história do clube.

O Barcelona é o time dos catalães, grupo que busca a independência da Espanha. Além disso, o clube estabeleceu um esquema tático que valoriza a posse de bola e a habilidade de seus jogadores e o ensina desde as categorias de base.

E tem mais: no início da temporada 2006/2007, o presidente do clube, Joan Laporta, assinou uma parceria com o Fundo das Nações Unidas para Infância – UNICEF. Desde então, o Barça  PAGA para ter o nome da UNICEF na camisa.

Camp Nou, palco do Barcelona

É por tudo isso que no escudo do time está escrita a frase “més que un club” (mais que um clube). E foi por essa história que a Qatar Foundation abriu seus cofres ao Barcelona.

Esse fato pode ser refletido para nós trainees, quanto vale nossa história? Temos realizações que nos valorizam?

O show deve continuar

Despedidas são sempre difíceis. Porém, no programa de trainees, temos que aprender a conviver com elas. Desejo toda sorte do mundo ao Ricardo, ao Diego e ao Bruno, colegas que deixam o programa.

Como sou muito otimista, acho que as saídas dos colegas serviu como um choque de realidade.

No entanto, não se pode desanimar.O show deve continuar.

O cargo e o mito

Na última sexta-feira, o diretor técnico do Sebrae Carlos Alberto dos Santos passou pela UASF e despertou-me uma reflexão. Alguns colegas da unidade brincaram com ele pelo fato de ser torcedor do Corinthians. Ele levou numa boa e defendeu o time do coração.

A situação me fez pensar como às vezes o cargo que a pessoa ocupa pode criar uma espécie de barreira invisível, que nos impede de nos relacionar. Comecei a refeltir em quantas ideias ou quantas sugestões deixei de dar por me intimidar pelo cargo do meu interlocutor.

Essa minha impressão parece ter refletido na avaliação do gerente da unidade. Ele comentou que me achou um pouco tímido. As pessoas que me conhecem dizem exatamente o contrário. Acabei percebendo que às vezes me deixei intimidar pelo cargo de gerente e acabei não passando tudo que poderia passar de bom para meu chefe.

Notei então que tenho que derrubar essas paredes invisíveis que os níveis hierárquicos escondem. Afinal, quem ocupa o cargo é um ser humano, que pode ser inclusive corintiano, como eu!